Centrífuga Horizontal Série ESH

Bomba Centrífuga Horizontal re-autoescorvante Série ESH

A Equipe Bombas projeta equipamentos para transporte de fluidos desde à década de 1970. Muitas inovações desenvolvidas durante esses anos tem se transformado em padrões de aplicação nas indústrias em geral.

Nossos equipamentos operam em ambientes industriais severos, em todos os tipos de controles de efluentes industriais, estações elevatórias de tratamento de esgoto, sólidos em suspensão, resíduos corrosivos, abrasivos, etc.

São fabricados atendendo todos os requisitos exigidos por normas, seguindo rigoroso controle de qualidade em todas as fases do processo. Os produtos são testados em banco de provas, garantido perfeito funcionamento e performance desejada, conforme as normas Hidráulic Institute ou ISO 9906 gr. 2B.

Contato

[email protected]

55 (19) 3417-4848

Áreas de atuação:

  • Papel e Celulose
  • Açúcar e Álcool
  • Indústrias Alimentícias, Automobilística e Plantas Químicas
  • Siderúrgicas
  • Agricultura
  • Pecuária
  • Psicultura
  • Captação de água bruta
  • Sistemas de Combate à Incêndio
  • Fábricas de Conservas
  • Cortumes, etc

Características Construtivas

Bomba horizontal Re-autoescorvante com rotor aberto, apropriada para bombeamento de esgoto bruto gradeado, líquidos com sólidos em suspensão, resíduos industriais e água.

Projeto avançado permite passagem de sólidos de até Ø3″ (76,2mm). Sucção posicionada axialmente e descarga radial, com diâmetros de 2″a12″, para linha de Baixa Pressão (ESL) e diâmetros de 3″a 6″ para a linha de Alta Pressão (ESH). Execução conforme norma ANSI.

A grande vantagem desse equipamento é o preenchimento automático de líquido, para o inicio do processo de auto-escorva.

A parte posterior do rotor é dotada de palhetas de expulsão, com finalidade de reduzir a pressão na área do selo mecânico e a quantidade de material depositado nesta região.

Projeto mecânico sistema Back-Pull-Out, permite a manutenção do equipamento sem necessidade de remoção das tubulações de sucção e de descarga. Proporciona fácil acesso as partes mais importantes do equipamento, como: eixo de acionamento, selo mecânico e rotor. Qualquer intervenção no conjunto é extremamente simples e rápido.

A bomba possui tampa de inspeção de grande dimensão, com acesso simples e rápido ao rotor, voluta e válvula de retenção tipo flap. Facilita também a inspeção das partes que possam sofrer desgaste, bem como a realização de qualquer manutenção, limpeza e substituição destas peças com muita rapidez. Na tampa de inspeção também se encontra uma placa de desgaste removível.

O rotor de cada modelo de bomba é único, não havendo necessidade de usinagem do mesmo para adequação do ponto de trabalho, porque a vazão e a pressão são ajustados em função da rotação. Isso significa menor quantidade de sobressalentes.

Pode ser acionado com motor elétrico ou de combustão interna (Diesel, gasolina, entre outros).

O acoplamento, entre bomba e acionador, pode ser feito diretamente através de luvas flexíveis ou polias e correias.

Destaca-se pela eficiência de bombeamento e os baixos custos operacionais e de manutenção, em comparação a outros sistemas de bombeamento, para as mesmas finalidades.

Corpo

Corpo em execução de FoNo e/ou outras ligas compatíveis com o liquido bombeado. Possui acabamento interno com paredes lisas, reduzindo consideravelmente as perdas por atrito e arraste. Proporciona maior eficiência e desempenho hidráulico.

Rotor

Aberto com paletas m múltiplas de dupla curvatura sendo: 02 pás (ESL) ou 05 pás (ESH).

Possui ampla passagem de sólidos com até 3″. Balanceado estático e dinamicamente.

Disponíveis em várias combinações de materiais.

Eixo

Execução em aço carbono SAE-4140 beneficiado, projetado para regimes de cargas pesadas com altos fatores de serviço, garantindo deflexões mínimas.

Válvula Automática

Ao partir a bomba o ar contido na tubulação de sucção é extraído pela válvula de escape de ar que está normalmente aberta. Assim que o líquido chegar a câmara traseira da válvula, ela se fechará automaticamente.

Para que a válvula se abra na parada, um pequeno vazamento foi criado a fim de liberar a pressão na parte traseira da válvula, permitindo o retorno a posição inicial.

Devido a este vazamento, a descarga da válvula deverá possuir uma tubulação de retorno ao poço de sucção.

Quando o equipamento estiver desligado, as partículas sólidas que estiverem na parte posterior da válvula devem acumular-se na parte inferior traseira e assim serem expulsos na próxima partida, portanto observar a posição de montagem evitando o entupimento precoce.

A válvula de escape de ar deve ser instalada próxima à válvula de retenção e no ponto mais alto, garantindo a saída de todo o ar contido no sistema.

A válvula permanecerá aberta se a pressão de projeto não for atingida ou se a pressão de recalque for muito baixa (aproximadamente 4 mca). A pressão de operação desta válvula depende da mola ( a válvula é fabricada com dois modelos de mola, sendo mola fraca para (pressão de recalque até 13 mca) e mola forte ( para pressão de recalque superior a 13 mca), conforme dados do projeto.

Em campo, a pressão da mola deverá ser ajustada através do pino no eixo dependendo da necessidade.

A Válvula de ar de liberação automática foi desenhada para liberar o ar para a auto-escorva no início da partida da bomba. Após a escorva ou enchimento total do corpo da bomba, a válvula fecha para restringir o fluxo pelo by-pass.

Quando a bomba para, a válvula automaticamente abre e está pronta para o próximo ciclo de escorva.

O ar a partir do corpo da bomba passa através da válvula durante o ciclo de preparação.

Quando a bomba está completamente escorvada, a pressão resultante do fluxo contra o diafragma, comprime a mola e fecha a válvula, e permanece fechada reduzindo o fluxo de líquido de 1 a 5 GPM (0,227 a 1,14 m3/h).

Quando a bomba desliga, a mola retorna o diafragma para posição original.

Qualquer sólido que possa ter acumulado na câmera do diafragma, decanta e é liberado durante o próximo ciclo de bombeamento.

Sempre disponibilizar uma linha de purga de pelo menos 1″ para cada válvula.

Não conectar a linha de purga para a instalação de várias bombas.

ESH-3

Vazões: até 85 m3/h
Altura Manométrica: até 60 m
Rotação: Variável
Peso: 265 Kg
GD2: 0,8 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 1″
Ø da Flange de Sucção: 3″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 3″ BSP Ø do Rotor: 11″
Ø da Conexão de Dreno: 3/4″ BSP

ESH-4

Vazões: até 180 m3/h
Altura Manométrica: até 60 m
Rotação: Variável
Peso: 310 Kg
GD2: 1 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 1″
Ø da Flange de Sucção: 4″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 4″ BSP Ø do Rotor: 11″
Ø da Conexão de Dreno: 1″ BSP

ESH-6

Vazões: até 230 m3/h
Altura Manométrica: até 58 m
Rotação: Variável
Peso: 486 Kg
GD2: 2.2 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 1″
Ø da Flange de Sucção: 6″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 6″ BSP
Ø do Rotor: 317″
Ø da Conexão de Dreno: 1″ BSP

ESL-2

Vazões: até 45 m3/h
Altura Manométrica: até 34 m
Rotação: Variável
Peso: 110 Kg
GD2: 0,17 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 1.1/2″
Ø da Flange de Sucção: 2″ NPT
Ø da Flange de Recalque: 2″ NPT
Ø do Rotor: 6 1/4″
Ø da Conexão de Dreno: 3/8″ NPT

ESL-3

Vazões: até 100 m3/h
Altura Manométrica: até 31 m Rotação: Variável
Peso: 195 Kg
GD2: 0,4 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 2 1/2″
Ø da Flange de Sucção: 3″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 3″ BSP
Ø do Rotor: 8 3/4″
Ø da Conexão de Dreno: 1″ BSP

ESL-4

Vazões: até 160 m3/h
Altura Manométrica: até 32 m
Rotação: Variável
Peso: 277 Kg
GD2: 0,55 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 3″
Ø da Flange de Sucção: 4″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 4″ BSP
Ø do Rotor: 9 3/4″
Ø da Conexão de Dreno: 1 1/4″ BSP

ESL-6

Vazões: até 310 m3/h
Altura Manométrica: até 28 m
Rotação: Variável
Peso: 456 Kg
GD2: 1,7 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 3″
Ø da Flange de Sucção: 6″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 6″ BSP
Ø do Rotor: 12 3/8″
Ø da Conexão de Dreno: 1 1/4″ BSP

ESL-8

Vazões: até 300 m3/h
Altura Manométrica: até 32 m
Rotação: Variável
Peso: 662 Kg
GD2: 2.8 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 3″
Ø da Flange de Sucção: 8″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 8″ BSP
Ø do Rotor: 14 3/4″
Ø da Conexão de Dreno: 2″ BSP

ESL-10

Vazões: até 715 m3/h
Altura Manométrica: até 36 m
Rotação: Variável
Peso: 703 Kg
GD2: 4 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 3″
Ø da Flange de Sucção: 10″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 10″ BSP
Ø do Rotor: 14 3/4″
Ø da Conexão de Dreno: 2″ BSP

ESL-12

Vazões: até 1050 m3/h
Altura Manométrica: até 36 m
Rotação: Variável
Peso: 1144 Kg
GD2: 6 (Kg.m2)
Ø Máximo de Sólidos: 3″
Ø da Flange de Sucção: 12″ BSP
Ø da Flange de Recalque: 12″ BSP
Ø do Rotor: 18″
Ø da Conexão de Dreno: 2″ BSP